Voltar
VOCÊ QUER QUE ELE VENHA?
José Carlos Jacintho de Campos - 27/4/2017

Pois então, caro leitor, somente aqueles que amam a vinda do Senhor Jesus para arrebatá-los manifestam esse sentimento constantemente: “Vem, Senhor Jesus”! Portanto, permita-me lhe perguntar: Você quer que Ele venha? A pergunta é pertinente tendo em vista que Ele mesmo deixou asseverada essa promessa: “Venho sem demora” (Apocalipse 3:11; 22:12 e 20).

 

Entretanto, aqueles que de fato não vivem essa maravilhosa expectativa dirão: “Ah, tanto tempo já passou e até agora nada; não há nenhum sinal aparente da proximidade da Sua vinda”! Mas os que têm autenticidade de fé não se deixam influenciar por essas zombarias.

 

Os muitos que assim pensam estão a incidir em um enorme equívoco, a asserção “sem demora” mencionada pelo Senhor Jesus não é segundo a nossa contagem de tempo, mas no tempo divino já estabelecido mediante a exclusiva autoridade do Pai (Atos 1:7).

 

Portanto, não nos compete conhecer tempos ou épocas reservados por Deus, não há que se ir à busca de sinais da Sua vinda entre nuvens para arrebatar a Sua Igreja, pois eles não existirão. Para aqueles que verdadeiramente O esperam a Sua volta é iminente, a qualquer momento, num piscar de olhos, não dependendo de nenhum sinal terreno a não ser a palavra de ordem do Pai, proferida no Céu, para que esse glorioso momento aconteça.

 

Simples assim, caro leitor, mas se puderem complicar por que facilitar, não é mesmo? Por oportuno, nunca é demasiado lembrar o alerta de Pedro de que nos últimos dias surgirão aqueles que irão questionar acerca da demora da vinda do Senhor Jesus por desconhecerem a longanimidade de Deus para que todos tenham a possibilidade de chegar ao arrependimento. Não deixe de ler o capítulo 3 de 2 Pedro, é fundamental uma meditação profunda nas revelações ali contidas.

 

Mas essa busca de “sinais” é provocada pela enorme confusão feita ao se interpretar as revelações contidas em Mateus 24. Por definição, elas não dizem respeito à Igreja de Deus. O mais grave é que já são muitos que acham que a Igreja passará pela grande tribulação que virá sobre este mundo sob o comando das duas bestas mencionadas no capítulo 13 de Apocalipse. Por conta disso saem à busca de “sinais”, dentre esses cito a identificação de quem seria o provável “anticristo”, e acabam escrevendo muitas impropriedades a respeito.

 

Já houve quem dissesse que a Igreja de Deus não está esperando pelo “anticristo”, mas a volta do Filho de Deus, e quando ocorrer essa revelação (das duas bestas) os que de fato creem no Senhor Jesus já terão sido por Ele arrebatados entre nuvens conforme claramente ensinado pelo apóstolo Paulo (Leia 1 Tessalonicenses 4:13-18 e Filipenses 3:20-21).

 

Também no capítulo 15 de 1 Coríntios, com considerável inspiração divina, Paulo traz um claríssimo ensino acerca desse notável evento, demonstrando que a ressurreição do Senhor é a garantia da ressurreição de todo aquele que n’Ele crê com inabalável fé, pois Ele é as primícias dos que dormem, ou seja, os que partiram desta vida e agora aguardam a ressurreição de seus corpos transformados e revestidos da incorruptibilidade. Não deixe de ler esse precioso capítulo.

 

Entrementes, há que se ter compreensão clara acerca desses textos revelados por Paulo. Segundo a teologia do arrebatamento pré-tribulacional, o Senhor Jesus virá entre nuvens para buscar os Seus e, nessa ocasião, não colocará Seus pés na Terra, e os por Ele redimidos irão ao Seu encontro nos ares, primeiramente os ressurretos, em seguida os vivos que aqui estiverem (1 Coríntios 15:50-58).

 

Após esse importante acontecimento, dar-se-á a revelação das duas bestas infernais e, por conseguinte, o início da grande tribulação. Ao final dos sete anos previstos para esse período de grande angústia, aí sim o Senhor Jesus aqui virá para pôr um basta à tenebrosa atividade dessas duas entidades diabólicas e estabelecer o Seu reino milenar (Apocalipse 19).

 

Cumpre-se, portanto, nesse exato momento, a revelação do antigo profeta que teve a percepção desse magnífico acontecimento que se daria milênios a sua frente: "Então, sairá o Senhor e pelejará contra essas nações... Naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém" (Zacarias 14:3-4). A Sua majestosa volta acontecerá em Israel, por isso os cristãos jamais deveriam ser contra Israel em prol de qualquer causa árabe, pois lá continua sendo a terra de Deus e os judeus o Seu povo terreno.

 

Vejo algo muito estranho debaixo do céu! O surgimento daqueles que dizem saber idiomas bíblicos e ficam a insinuar que as interpretações remotas das Escrituras não são bem aquelas que nelas constam. De forma leviana, diria eu, pois isso equivale dizer que ao longo de quase dois milênios os codificadores do Novo Testamento teriam cometido erros crassos ao coligirem os antigos textos.

 

Sem dúvida uma atitude de escárnio, pois estão a desdenhar do notável saber daqueles que, inspirados por Deus, se dedicaram a essa árdua tarefa. Entre nós, não posso deixar de citar John Nelson Darbi, o precursor do dispensacionalismo, que traduziu as Escrituras para vários idiomas. Pior ainda, são os bacharelandos em “teologia” que em suas monografias de final de curso defendem a heresia de que as Escrituras são parcialmente inspiradas por Deus, provocando com isso gravíssimas distorções doutrinárias.

 

Contudo, de onde menos se espera por vezes chega algo de certa forma surpreendente. Em recente matéria que me foi enviada, divulgada pelo Breaking Israel News, relata sobre alguns acontecimentos inéditos ocorridos em janeiro último que foram considerados como indícios do cumprimento das profecias de Ezequiel que indicariam que a vinda do Messias prometido para Israel estaria próxima.

 

Não entrando no mérito da questão e sem contestar os fenômenos ocorridos, sabemos que o Messias aguardado pelos hebreus de fato se trata do retorno do Senhor Jesus, o Messias por eles rejeitado, que aqui voltará para estabelecer o Seu reino. Todavia, a vinda do Rei dos reis dar-se-á ao final da grande tribulação e a Igreja já não mais aqui estará no mínimo sete anos antes desse acontecimento.

 

Mas o que me chamou à atenção nessa notícia foi a constatação de que os hebreus estão atentos à vinda do Messias, coisa esta que não está se observando com a mesma intensidade entre os atuais cristãos. Raramente se fala a esse respeito em nossos dias. Qual foi a última vez que você ouviu, caro leitor, uma mensagem exortando que o Senhor Jesus Cristo está chegando para arrebatar a Sua Igreja? Essa postura da cristandade em nossos dias dá a ideia de que Ele não irá voltar!

 

Por vezes fica-se com a impressão de que os cristãos sentem vergonha de expressar essa realidade com receio de serem debochados. Zombeteiros não faltarão para isso, dizendo que isso é uma lenda para iludir criancinhas e velhos. “Onde já se viu acreditar em algo tão absurdo em pleno terceiro milênio”, dirão esses tais.

 

O despreparo sobre isso é uma triste realidade. A grande maioria dos cristãos não tem respostas quando arguidos. Falta-lhes conhecimento face à quantidade de interpretações sobre o assunto que gera graves erros doutrinários. Geralmente cada segmento do multifacetado cristianismo tem o seu particular entendimento.

 

Preocupam-se hoje em pregar sobre prosperidade, determinação, saúde perfeita, cultos festivos sem nenhuma reverência a Deus etc. O atual modismo é que tem que se falar sobre aquilo que o povo gosta de ouvir, pois assim os salões das igrejas ficarão lotados e, por extensão, aumenta-se a arrecadação. A “cristandade de massas” não significa sucesso, pois acaba ficando muito próxima ao paganismo na medida em que se afasta dos princípios estabelecidos na Palavra de Deus, conforme lemos em 2 Timóteo 3:1-9,13; Judas e Apocalipse, dentre outros. Nesse contexto falar sobre pecado, arrependimento, salvação, santificação etc., nem pensar, mesmo porque não traz ganhos materiais. Imagine, então, falar-se no arrebatamento que o Senhor Jesus efetuará.

 

Apesar das opiniões contrárias completamente equivocadas, o arrebatamento pré-tribulacional é uma magnífica promessa, pois livrará os filhos de Deus da ira vindoura: Jesus, que nos livra da ira vindoura” (1 Tessalonicenses 1:10); “Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5:9); “Sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (Romanos 5:9); “Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro” (Apocalipse 3:10).

 

Finalizando, caro leitor, volto à pergunta inicial: Você quer que Ele venha? Acrescento: Você acredita que Ele virá para arrebatar os Seus? Cumpre-me lembrá-lo que, aos que creem, há um galardão específico que Paulo revela em 2 Timóteo 4:8... Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”. Portanto, minha última pergunta: Você ama a Sua vinda? Permita Deus que assim seja!

 Voltar
 Busca Local
"Quem traz uma candeia para ser colocada debaixo de uma vasilha ou de uma cama? Acaso não a coloca em um lugar apropriado?
Porque não há nada oculto, senão para ser revelado, e nada escondido senão para ser trazido à luz.
Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça!
Considerem atentamente o que vocês estão ouvindo".
(Marcos 4:21-24)
 Minhas Crônicas
2020
2019
2018
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010
2009
2008
 Contato
Fale com o autor
 Links
Boletim dos Obreiros
 Copyright 1/1/11
Todos direitos reservados ao autor. Caso deseje publicar alguma matéria contida neste site, solicito que sejam citados a origem e o autor, como convém. Bem haja!